A Prefeitura de Dores do Indaiá está impregnada com o cheiro da corrupção. O fedor do petrolão no asfalto da cidade contamina o órgão municipal. A Câmara Municipal e o Ministério Público até agora não se pronunciaram. O prefeito Ronaldinho (foto) aparece nas tramas como mentor dos recursos públicos desviados.

A Prefeitura de Dores do Indaiá está impregnada do cheiro de corrupção. O fedor do petrolão no asfalto da cidade contamina o órgão municipal. A Câmara Municipal e o Ministério Público até agora não se pronunciaram. O prefeito Ronaldinho (foto) aparece como mentor nas tramas de desvio dos recursos públicos. propina II parte (3)  (clique na palavra propina II)

EXCLUSIVO

Rotineiramente, os agentes públicos desonestos habituados à gatunagem   de dinheiro público são sempre prudentes e fazem  de tudo para não deixar suas impressões  digitais nos atos criminosos.  Em Dores do Indaiá, no entanto, o hábito de cometer safadeza nos órgãos oficiais virou mania tão antiga, passada de pai pra filho,  que   seus políticos  nem mesmo se dão   o trabalho  de adotar medidas de precaução tais como manter a boca sempre fechada,  não aparecer ao lado de gente comprometedora  e evitar riscos de conversas gravadas.

Nesta cidade do Alto São Francisco, o prefeito Ronaldo Costa, o “Ronaldinho”, ex-PT agora no PMDB, vem demonstrando, há muito tempo, que está abusando da própria sorte. Recentemente, foi pego de surpresa acusado de chefiar operações hediondas de apropriação indébita de recursos públicos, incluindo-se propinas e fraudes para reduzir espessura de asfalto.

Hoje, 38 dias passados desse flagrante, o Centroesteurgente divulga, com exclusividade, novo áudio de diálogo sequencial entre o vereador Silvio Silva e o empreiteiro de asfalto Vitor Farias Soares Lacerda, de BH, na qual fica também evidenciado que esse prefeito, sua irmã Rosaura Costa Zica, um primo de nome Roberto, o secretário João Paulo Noronha e um engenheiro, se transformaram em vorazes predadores dos parcos recursos do município, tendo como braço direito das ilegalidades a própria mana, agindo na linha de frente com total desembaraço. (Para ouvir o diálogo, clique na palavra propina, acima, no texto do cabeçalho)

O referido diálogo tem duração de apenas 17 minutos (finalizado por interrupção abrupta), entre Farias e o vereador Silvio Silva. Quem conhece a história do diabólico cardeal francês Richelieu, poderoso ministro do Rei Luiz XIII, verá no papel desempenhado por Silva uma perfeita réplica do temível religioso do séc. XVII. Tal como no primeiro áudio divulgado neste site em 15 de agosto último o vereador concatenou seu bate-papo de forma a inspirar confiança e conduzir toda sua artimanha no oferecimento de apetitosa isca a ser engolida pelo empreiteiro, na mira de arrancar dele todos os pecados da família Zica. Pecados estes destinados, segundo alguns políticos locais, a lhe garantir vantagens pessoais e dividendos políticos futuros.

Para amenizar o clima de desconfiança, Silva deixa transparecer, no decorrer do diálogo, inclusive, dúvidas sobre a conduta ética e moral de Ronaldinho, sem poupar também a irmã do prefeito a quem, por conta das propinas, chama de mulher muito difícil e muito forte.

Os artifícios utilizados por ele visaram apenas a enganação, pois  fala de um relatório a ser lido no plenário da Câmara como parte das providências a serem tomadas contra o prefeito. Mas nenhuma sequer foi executada até porque oito entre os nove vereadores apoiam o mandatário. Se Silvio quisesse agir, de fato, teria exigido, imediatamente, a abertura de uma CPI ou uma queixa direta no Ministério Público pedindo a punição de Ronaldinho. Coisas que não fez.

propina II parte (3)  (Clique na palavra propina)

O que se ouve no referido áudio são revelações de muita sem-vergonhice e falta de caráter cometidos entre homens públicos, que deveriam representar o povo, e um empresário que aceita participar de jogadas inescrupulosas regadas a muita propina. Jogadas, enfim, sempre mirando enriquecimento ilícito de ambas as partes. A irritação de Vitor, o sujo xingando o deslavado, mostra o fedor a que chegam as relações entre abutres quando em desacordo na partilha do butim. Um simples contrato de prestação de serviços ao qual deveriam estar subordinados os obrigatórios deveres das partes, repentinamente, se transforma em atos de imoralidades nos quais os dois lados, Ronaldinho e Vitor, usam de todas as ferramentas de desonestidade e má-fé para proteção dos interesses abjetos.

CORRUPÇÃO SEGUE DESTRUINDO DORES 

Muitos moradores que, hoje, brigam pelo prefeito na campanha eleitoral, pelo asfalto a eles proporcionado, certamente, desconhecem que foram feitos de idiotas. E sentiriam nojo se descobrissem que parte das verbas destinadas às obras virou alvo de abutres, foi desviada em asquerosa fraude para redução na espessura do asfalto passível de esburacar em pouco tempo.

No trecho da conversa em que o pai de Vitor se encontra com Rosaura, no BDMG, no papel de intermediário em busca de um acordo para recebimento dos atrasados termina em desentendimento. O motivo: ela joga na cara do referido senhor que seu filho não está recebendo pagamentos por não ter cumprindo o acordo combinado (acerto de propinas). E ele, rispidamente, respondeu que a irmã de Ronaldinho se referia às propinas e não era por causa de propinas que estava lá.

Fica patente na gravação que Vitor já recebeu R$ 594 mil por obras realizadas, mas ainda tem um crédito superior a R$ 150 mil. Sua desavença com o prefeito se tornou muito grande por desconfiar que ele vai lhe dar o cano e embolsar tudo. Os débitos são reais, mas, por suscitar dúvidas, Ronaldinho desejaria não quitá-los enquanto se beneficia de mamatas com outra firma de nome EMPRESER. Por aí se vê a que níveis de baixeza chegaram as relações da prefeitura de Dores do Indaiá com seus prestadores de serviços.

propina II parte (3) (Clique ao lado, no cabeçalho e no meio da matéria para ouvir o áudio sobre as patifarias cometidas na prefeitura de Dores do Indaiá)

Facebooktwitterpinterestlinkedinmail
rss