Em recente correspondência enviada por e-mail, este site alertou o prefeito de Dores do Indaiá, sr. Ronaldo Costa, de que a empresa Verde Fertilizantes, de BH, ora se propondo a explorar jazidas  de potássio nos municípios de São Gotardo e Matutina, vem dando claros sinais de despreparo e idoneidade  moral necessários para situar-se à frente de um projeto de tamanha envergadura, alem de adverti-lo para riscos gravíssimos  de futuros prejuízos ao meio ambiente, de consequências irreversíveis  para todos os municípios do eixo Rio Indaiá, na área do verdete.

Prefeito Ronaldinho foi devidamente alertado

Prefeito Ronaldinho foi devidamente alertado. É de responsabilidade dele a proteção de  imenso patrimônio de riquezas naturais

Ao mandatário foi  sugerida a necessidade de serem  aprofundados questionamentos em torno do assunto  sob o aspecto jurídico, político e econômico, concluindo-se por um pronunciamento assinado pelas demais prefeituras do eixo do Rio Indaiá, Quartel Geral, Cedro do Abaeté, Tiros,  Estrela do Indaiá, Serra da Saudade e Santa Rosa da Serra, incluindo lideranças dos setores ruralistas, geólogos e ambientalistas.

Na correspondência a Ronaldo Costa suscitando-lhe  a responsabilidade de levar a grave questão aos demais governantes  da área do verdete  este   site o faz  também diante da necessidade de  se evitar, futuramente, acusações de possíveis reflexos danosos irreversíveis ao meio ambiente, em seus domínios,   de  empreendimentos implantados em outras cidades  sem seus  conhecimento prévios.

Aos moradores destas localidades cabe também cobrar dos seus gestores públicos  os devidos posicionamentos, até agora inexistentes, sobre os perigos de projetos como este da Verde Fertilizantes que não demonstram idoneidade, mas por outo lado, podem destruir, de forma irreversível, o riquíssimo acervo de biodiversidade regional.

Leiam, na integra, a correspondência:

Eminente senhor prefeito Ronaldo Costa,

“O motivo desta correspondência é alertar para fatos gravíssimos ora ocorrendo em torno de um projeto de extração de potássio nos  municípios de São Gotardo e Matutina, envolvendo possível concessão à  firma Verde Fertilizantes, de BH, mas, documentalmente, perante  o DNPM, abrangente também de áreas requeridas em todo o verdete, milhares de hectares, situada nos municípios de Dores do Indaiá, Quartel Geral, Cedro do Abaeté, Tiros e Serra da Saudade, cujas conseqüências futuras, de natureza ecológica e econômica,  poderão ser drásticas, existindo riscos iminentes ao riquíssimo  acervo regional de biodiversidade e  de centenas de córregos, ribeirões e mananciais formadores do sistema hídrico da  Bacia do Rio Indaiá.

O empreendimento estimado em R$ 6 bilhões não merece credibilidade e vem sendo denunciado como se uma completa  farsa pelo geólogo Pedro Gervásio Ferrari, ex-chefe, durante 17 anos, do Departamento de Geologia da CPRM que viu no RIMA relativo ao projeto apresentado em São Gotardo um verdadeiro pacote de mentiras com finalidade de enganar autoridades ambientais e instituições financeiras, de olhos em recursos dos quais ela não possui.

Apesar das denúncias ininterruptas sobre  irregularidades gravíssimas  que tornam impossível  a aprovação deste projeto no DNPM, a Verde Fertilizantes não desiste, em momento algum, deixando  deixa clara  amostra de   alguma outra  coisa  ainda sendo tramada para a região.

Decisões gravíssimas de  possíveis futuros  reflexos nocivos ao meio ambiente, além de econômicos,  na área do Indaiá e centenas  de córregos, ribeirões e mananciais estão sendo tomadas em São Gotardo, na calada da noite, a revelia dos governos municipais vizinhos.

Achamos que va. sa.  como representante da segunda maior cidade situada na área do verdete deveria avaliar a presente situação representada pelo referido projeto, gravíssima, que, de início, há cerca de três anos, teve nosso apoio  favorável até descobrirmos ausência nele,  por intermédio  do dr. Pedro Gervásio Ferrari,  de idoneidade e honestidade. Nesse sentido, respeitosamente, sugerimos que este eminente prefeito consultasse os  executivos dos demais municípios.

Não temos quaisquer dúvidas de que este conceituado prefeito deveria aprofundar questionamentos sob o aspecto jurídico, político e econômico em torno da questão, concluindo por  um pronunciamento assinado por todas as  respectivas lideranças destes municípios, incluindo setores ruralistas, ambientalistas e geólogos locais.

É simplesmente impensável  a  área do  verdete sendo alvo de discussões fora e  distante dos interesses de todas as comunidades nela presentes. A todas, ela se afigura como um único sistema cuja integridade  não pode correr riscos de  ser violada   em benefício de situações escusas, porquanto  são  iminentes os riscos de que, uma vez tomada a decisão errada,  só restará à  maioria dos seus habitantes  arcar com o peso  de  conseqüências insanáveis”.

Saudações,

www.centroesteurgente.com.br

WolneyGarcia

Facebooktwitterpinterestlinkedinmail
rss