Editor do site recebendo informações de Manuel Sanches

(28/02/011-Exclusivo, de São Gotardo e Dores do Indaiá) – No máximo em 12 ou 14 dias estarão concluídos os trabalhos da primeira fase  (2D) de pesquisas em busca de gás e petróleo nas cidades localizadas no Alto Paranaíba e eixo do Rio Indaiá, a cargo da empresa norte-americana Global Geofhysical Services. Hoje,  por volta das 14 horas, cinco caminhões  vibroseis da Global  se encontravam em ação exatamente em pleno topo da Serra da Saudade de onde penetraram em direção ao município de Estrela do Indaiá. (Para ampliar fotos, basta clicar em cima)

Segundo informações do boliviano Manuel Sanches, chefe da equipe técnica que comanda os levantamentos na área de campo, mais sete máquinas vibroseis deverão chegar da Argentina para conclusão dos trabalhos. A grande novidade é que a segunda fase (3D) poderá ser iniciada num prazo de 60 ou 90 dias, só dependendo de decisões da firma brasileira Petra energias, dona dos direitos de exploração adquiridos junto ao Governo Federal. Especulava-se que tais levantamentos só seriam reiniciados após  período de um ano.

É necessário explicar que tais trabalhos científicos estão sendo realizados em mais de 50 blocos de áreas, em Minas Gerais, valendo dizer que eles se estenderão até Patos de Minas. Portanto, a primeira fase consiste em levantar, em todo o Estado, locais factíveis da existência de petróleo ou gás. Quando se iniciar a segunda fase (3D – Terceira Dimensão) as pesquisas já estarão voltadas para setores onde existem  grandes possibilidades de sucesso.  

Até aqui, todas as pesquisas à base de abalos sísmicos provocados pelas máquinas “vibroseis” têm sido feitas sobre o leito das estradas, não penetrando nas fazendas. Quando for dada a largada à segunda etapa, os caminhões, então em número de 13, considerados extremamente versáteis para superação de solos acidentados,  vão percorrer os terrenos de pastagens, já em áreas pré-avaliadas com fortes possibilidades  da existência de gás ou petróleo.

Em relação às pesquisas na sua região,  a vice-presidente da associação dos moradores e produtores rurais do distrito de Vila Funchal,  município de São Gotardo,  ruralista Leninha de Carvalho, também advogada e ambientalista, conduzinho a questão com toque de  bom humor, assim definiu: “então, daqui pra frente, só nos resta esperar o nome do município que vai tirar a sorte grande”.

Facebooktwitterpinterestlinkedinmail
rss