Em Dores do Indaiá, cidade de 13.700 moradores no Alto São Francisco, a biblioteca pública “Escritor Emílio Guimarães Moura”, administrada sob total desmazelo por parte da prefeitura, tem como seus principais frequentadores habituais os cães abandonadas nas ruas que lá entram aos bandos como se fossem os verdadeiros donos do pedaço. Sim, os animais (fotos) deixados no perímetro urbano por seus desprezíveis donos se refugiam no exíguo espaço da sala com cerca de cinco mil livros buscando proteção contra maus tratos e o movimento de carros na Rua Benedito Valadares. Já bem adaptados, eles aproveitam a porta aberta, entram, e se escarrapacham no assoalho onde tiram boas sonecas e até ganham comida e água dos dois únicos funcionários que deles se apiedam. Gostam tanto do recinto que não exitam em rosnar mostrando os dentes quando alguém ousa espantá-los! Tudo bem, seria muito simpática a presença deles não fossem os perigos que representam por serem portadores de zoonoses, pulgas e carrapatos, além do mau cheiro. Depois de revirarem lixo nas ruas e praças eles entram sujos e fétidos no estabelecimento. Já houve até caso de uma cadela que pariu lá vários filhotinhos. Na verdade, tal anormalidade não surpreende nesta cidade carente de um canil municipal que mais parece estar acéfala como se abandonada pelo prefeito “Ronaldinho” cuja administração é considerada uma das piores da história. (clique as fotos para ampliar)

A imagem pode conter: pessoas sentadas, cão e área interna
A imagem pode conter: pessoas sentadas e cão
Nenhum texto alternativo automático disponível.
A imagem pode conter: 1 pessoa, sentado, cão, planta e área interna
A imagem pode conter: área interna
Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail
rss