A conta de número 22678-4 da Caixa Econômica Federal criada pelo prefeito de São Gotardo, Seiji Eduardo Sekita e mais três funcionários públicos sob auspícios de nobres finalidades em favor de melhorias na saúde do município não pareceu ser assim tão voltada aos princípios da solidariedade.

Camargos se beneficiou de emprétsimo em conta destinada à saúde

Camargos se beneficiou de empréstimo em conta destinada à saúde. Informações não oficiais dão conta de que ele se encontra nos EU

No processo de CPI instaurado para investigar prática de um “mensalão”  envolvendo o mandatário e seu vice Carlos Camargos, a Comissão Investigadora da Câmara Municipal apurou que até problema particular de um deles, como por exemplo, aperto financeiro, foi solucionado através da conta. Ela foi utilizada por Camargos para um empréstimo pessoal no valor de R$ 6.353,00, conforme consta nos extratos.

Na entrega de documentos solicitados pela Comissão Investigadora Sekita não deu nenhuma explicação sobre a destinação dos recursos depositados na CEF e nem mesmo sobre saques por ele mesmo efetuados. Na verdade, os levantamentos apontam uma movimentação confusa misturando interesses supostamente públicos e privados, como este do empréstimo ao vice, caracterizador de privilégio ilegal, segundo os vereadores encarregados das investigações.

Sobre os serviços prestados pelo suposto consultor técnico Manuel Bibiano Carvalho Neto e sua filha Nádia de Castro Carvalho, Sekita confirmou que  os admitiu na rede de saúde municipal sem nenhum vínculo contratual com a Prefeitura Municipal, fato também caracterizado pela Comissão Investigadora como gravíssimo.

Outra irregularidade também comprovada durante as investigações:  os gordos honorários de Bibiano,  em torno de R$ 23 mil, inexplicavelmente, continuaram sendo pagos nos dois meses subseqüentes à sua demissão anunciada, oficialmente, quando o prefeito agradeceu, publicamente, “seus bons serviços prestados”.

Registre-se que, no princípio de janeiro, Sekita  esteve na  Câmara Municipal onde foi devidamente questionado pelos 13 vereadores sobre o suposto consultor técnico para assuntos hospitalares. Por se tratar de ex-prefeito cassado no município de Iguatama/MG Bibiano estava impedido, juridicamente, de atuar em órgãos públicos. De forma radical, o mandatário de São Gotardo recusou ouvir as advertências e optou pela decisão unilateral de apadrinhá-lo.

Durante o período de grande crise ocasionada pelo  iguatamense na área de saúde,em São Gotardo, a Prefeitura tinha gastos previstos em torno de R$ 3.500 milhões, mas acabou despendendo  R$ 7.500 milhões, ou seja, R$ 4 milhões a mais, sem acrescentar qualquer melhoria, gerando graves questionamentos. Como se verifica, o grosso dos levantamentos da CPI mal teve início.  Nos próximos dias, uma consultoria, ainda sendo contratada, fará contabilidade em todas as despesas na rede de saúde local, constituída de um hospital e cinco postos.

 INQUÉRITO POLICIAL

  JÁ FOI CONCLUÍDO

Na área da Polícia Civil, o delegado de Rio Paranaíba, Ítalo Boa Ventura, concluiu o inquérito policial no qual ouviu os depoimentos de todos os funcionários comissionados cujos salários foram aumentados em até 100 % no sentido de que fossem subtraídos, através deles os vencimentos de Manuel Bibiano. O delegado confirmou que, realmente, a operação se destinava ao pagamento do consultor e já encaminhou o processo ao promotor Sérgio Álvares Contagem, do Ministério Público de São Gotardo.

Através de acordo firmado nos trabalhos da CPI, a Comissão Investigadora das denúncias contra o prefeito e seu vice sofreu alterações nas três principais funções.  O vereador Onofre de Oliveira, até então ocupando a presidência, cede seu lugar a Ricardo Cruz, anteriormente exercendo o posto de relator.

Esse importante cargo será conduzido, a partir de agora, por Gilberto de Oliveira Cândido, mais conhecido por “Ganga. A vice-presidência fica com Adriano Leonel. O vereador Onofre de Oliveira, apesar de deixar a titularidade, continua na comissão ao lado da vereadora Madalena Lopes de Queiroz.

Ricardo Nunes, presidente

Ricardo Nunes, presidente

Onofre de Oliveira

Onofre de Oliveira

Dona Madalena Lopes Queiroz

Dona Madalena Lopes Queiroz

Adriano Leonel, vice presidente

Adriano Leonel, vice presidente

Gilberto Cândido, relator

Gilberto Cândido, relator

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail
rss