Em sessão realizada ontem à noite 12 entre os 13 vereadores assinaram requerimento já encaminhado ao presidente da Câmara Municipal de São Gotardo, no Alto Paranaíba, Claudionor Anicésio Santos, solicitando abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar atos de governo do prefeito Seiji Eduardo Sekita e de seu vice Carlos Camargos.

Por unanimidade, Câmara Municipal assinou o documento que instala CPI contra Seita e Camargos

Por unanimidade, Câmara Municipal assinou documento que instala CPI contra Sekita e Camargos

Contra eles pesam acusações de crimes de responsabilidade e improbidade administrativa em favorecimento ao ex-consultor para assuntos hospitalares Manuel Bibiano de Carvalho Neto, natural de Iguatama, durante seu conflitante período prestando serviços nos seis postos de saúde local, entre janeiro e junho último.

Conforme levantamentos e depoimentos tomados de funcionários comissionados de Sekita, pelo delegado de polícia de Rio Paranaíba, Ítalo Boa Ventura, existiriam fortes indícios de que o alto salário de Manuel Bibiano foi bancado, ilicitamente, através de um arranjo “por trás dos panos”  sem os exigidos mecanismos de transparência pública, nos mesmos moldes do “mensalão” envolvendo a cúpula nacional do PT.

Assinaram o requerimento os seguintes vereadores: Marcilon Rodrigues, Gilberto Cândido Oliveira, “Ganga”, Onofre Roberto Oliveira, Odair Mussi, Adriano Leonel Andrade, Maria Madalena Lopes Queiroz, Mauri Inácio Morais, Valdivino Honorato Oliveira, Célio Martins Reis, Genézio Martins, Ricardo Nunes e José Geraldo Vieira. Como presidente da Casa,  Claudionor Anicésio não  pode participar.

Na mesma sessão foram designados os cinco membros da comissão investigadora cujo presidente e relator, respectivamente, Onofre Roberto de Oliveira e Ricardo Nunes, fazem oposição a Sekita. Da base do prefeito figuram os nomes dos vereadores Adriano Leonel Andrade e Maria Madalena Lopes Queiroz. Gilberto de Oliveira Cândido  é o outro integrante.

Contra Sekita muitas acusações

Seiji Sekita: acusações de improbidade 

Adriano Leonel e dona Maria Madalena Lopes Queiroz dão sustentação a Sekita, mas assinaram o requerimento por acharem que, como representantes do povo, não podem se furtar de investigar denúncias envolvendo interesses coletivos. Entretanto, isso não quer dizer que, ao final dos trabalhos, tenham necessariamente de se posicionar contra. De qualquer maneira, nos dias de hoje Seiji teria entre 10 e 11 votos contra ele, mais que suficientes, segundo seus acusadores,  para lhe cassar os direitos políticos.

Neste dia 25, vence o prazo regimental de um mês concedido a ele para apresentação de notas fiscais de compra de medicamentos e material hospitalar, além dos contratos firmados com médicos e com o próprio Manuel Bibiano de Carvalho. Em relação a este último não se espera que seja  entregue, pois nem mesmo  deve existir, considerando-se que, na condição de ex-prefeito cassado em Iguatama, sua cidade de origem, Bibiano se encontrava  impedido, juridicamente, de assinar contrato com órgãos públicos.

Conforme informações da Comissão Investigadora, caso o prefeito não atenda ao requerimento de entregar a documentação, a solicitação volta a ser feita, mas desta vez  através  do Ministério Público junto do qual protocolarão uma representação. E ela pretende,  igualmente,  ter acesso aos extratos da conta bancária aberta na CEF (já encerrada)  em nome de Sekita e mais três pessoas  com a finalidade de movimentar despesas na área de Saúde. Querem saber se ela teve outras finalidades. Ontem, durante a sessão na Câmara chegou a notícia de que existiria uma outra conta aberta em nome do grupo.

Documento dos vereadores acusa prefeitura de desviar recursos públicos para despesas informais

Documento dos vereadores acusa prefeitura de desviar recursos públicos para bancar despesas irregulares (clique para ampliar)

Desde 1977, São Gotardo não produz um político sequer cujo nome tenha sido orgulhosamente merecedor de nome de rua, avenida ou mesmo de um busto em praça pública, pois quase todos os mandatários, a partir deste período, são acusados de administrações apagadas que pouco ou nada fizeram pelo município ou estiveram envolvidos em escandalosos casos de corrupção. O município vive sob constante ameaça institucional na esteira de  rotineiras instaurações de CPIs. No passado, outro prefeito também de origem japonesa, Paulo Uejo,  teve seu cargo cassado. O último mandatário Edson Cezário de Oliveira esteve na iminência de perder seus direitos políticos durante tumultuado período de CPI.

Camargos é acusado de saber das reuniões em favor de Manuel Bibiano

Camargos é acusado de saber das reuniões em favor de Manuel Bibiano

Clique para ampliar

Clique para ampliar

O atual administrador, Seiji Eduardo Sekita foi colocado na cadeira dentro de um clima de muita festa e boas expectativas pelo fato de ele ser um bem-sucedido produtor rural forjado em experiência de constante lida diária no campo com centenas de peões. Esperava-se dele muita credibilidade e competência para moralizar o serviço público e ainda tirar o município do atraso econômico no qual se encontra, embora situado numas das regiões agrícolas mais ricas de Minas.

Não obstante, faltando menos de dois meses para encerramento do seu primeiro ano de mandato, o governante vem marcando sua trajetória por uma série interminável de crises  administrativas e de choques com a própria Câmara Municipal, agora, ainda mais agravados com as denúncias de favorecimento a um político cujo passado não o recomendava.

Facebooktwitterpinterestlinkedinmail
rss