CÃESForam 13 processos cirúrgicos que evitarão o  nascimento de 72 animais de rua num período de doze meses, e de 396 em dois anos, segundo informa o veterinário Fábio Fidélis

“No dia 24 de julho, uma equipe de voluntários de diversas frentes de atuação se uniram para castrar cães e cadelas que vivem nas ruas de Dores do Indaiá. Foram castradas seis fêmeas e sete machos. Os procedimentos foram realizados pelo médico veterinário Fabio Fidélis, do Cambuá Hospital Veterinário, de Bom Despacho, acompanhado de duas veterinárias e de três estagiárias. As cirurgias foram feitas no canil de Tânis Azevedo, cedido gentilmente, para que os animais permanecessem durante doze dias, para recuperação, no pós-operatório.

Uma das intermediadoras do processo foi Maria Aparecida da Costa, funcionária do INSS de Dores do Indaiá. Um de seus cães precisou de atendimento na clínica de Fábio Fidélis e, durante conversa com o profissional, Cida manifestou a necessidade de que castrações fossem feitas na população de rua canina de sua cidade. Graças ao apoio e à adesão de vários amigos e conhecidos, que se mobilizaram a favor da causa, doações em dinheiro foram conseguidas para pagamento da medicação de sedação, anestesia e individual dos animais, estas adquiridas a preço de custo através do Cambuá Hospital Veterinário.

Mutirão em Dores da exemplo de como resolver o problema em outros municípios

Mutirão em Dores do Indaiá dá o exemplo de como amenizar o  grave problema de cães de rua em outros municípios

De acordo com Fábio Fidélis, os resultados dessa ação são muito importantes em relação à população canina e, consequentemente, à saúde pública. “Essas treze castrações evitarão o nascimento de 72 animais de rua em um período de um ano, e de 396 animais em dois anos, de acordo com a American Humane Association”, exemplifica o veterinário.

Um fator que contribuiu para que tudo desse certo foi a relação das pessoas com os animais de rua, voluntárias que cuidam deles, nos locais onde vivem. Segundo Cida, em alguns casos, inclusive, cães de rua são mais bem tratados do que animais que vivem com seus donos. No caso do mutirão de castração, os animais foram rapidamente identificados por estas cuidadoras e levados para serem submetidos aos procedimentos.

Em Dores do Indaiá, o trabalho de proteção aos animais vem sendo organizado e levado adiante pela Associação Protetora dos Animais Orcino Guimarães, que desejava um mutirão de castração já há nove anos. Um dos grandes entraves para o trabalho de atenção aos cães é a falta de conscientização de muitas pessoas, especialmente daquelas que abandonam crias na beira das estradas e na cidade.

Os procedimentos de castração contaram com apoios diversos, entre eles Vicente Cruz, da Ong Cão Viver, de Belo Horizonte (doação de medicação do pós operatório), Restaurante da Regina (almoço para a equipe do Cambuá Hospital Veterinário), Cooperativa Agropecuária de Dores do Indaiá Comadi Cooperativa (apoio com material permanente para as cirurgias), Cleber Tonaco de Sousa/Secretário Municipal de Saúde, veterinária Jaqueline Campos, Bruna Santana (medicamento), Lenita do Zuíno (leite) e pessoas amigas dos animais, como Darcelene Oliveira, Vania Silva, Ariana Oliveira Diniz, Cassio Silva, Débora Fiúza, Élida Araújo, Cristina Fiúza, Fabiano Pierre, Cida Costa e Márcia Ribeiro. As doações em dinheiro foram feitas por ACIDI, Cida Costa, Eunice Sousa, Francisca Maria de Jesus, Gelma (Payol), Helaine Cruz, Helena Cruz, Heloísa Melato, Jaqueline (Açougue Guarani), João Roberto P. Ribeiro, John Jairo Valencia, José Francisco C.P. Oliveira, Luzia Andrade, Márcia Ribeiro, Marcos Ribeiro, Marina Alves, Paulo Ribeiro, Sandra Ribeiro e Wander de Paula”.

Texto: Cecília Sá
Fotos: Márcia Ribeiro

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail
rss