Ricardo e Odair estiveram no Tribunal de Contas protocolar protocolar queixa contra o prefeito Sekita

 Odair e Ricardo foram ao Tribunal de  Contas e protocolaram  queixa contra o prefeito Sekita

Faltam menos de três meses para o próximo pleito nacional que vai escolher prefeitos e vereadores. No município de São Gotardo, Alto Paranaíba, em meio a uma gravíssima crise política e econômica ocasionada pelo fracassado governo da petista Dilma Rousseff, o clima de campanha ainda não motivou os 23.900 eleitores, por falta de candidatos confiáveis  para substituir o atual governante  Seiji Sekita, também do PT, a quem se acusa  de ter feito a pior administração da história local.

Com a mesma indiferença  e menosprezo os eleitores se comportam em relação à escolha de vereadores, pois na Câmara, com exceção dos políticos s Ricardo Nunes e Odair Mussi, todos entregaram a cidade aos desmandos da   atual  administração   permeada de acusações gravíssimas de desvios milionários de verbas na pasta de saúde, ocasionando o colapso do setor.

 O incrível é que o prefeito petista começou seu governo com apenas dois edis  na sua base de apoio contra 11 declaradamente oposicionistas . Mas estranhamente, como se num passe de mágica, já  no final de 2013 ,  tinha sob  seu  total controle 10 membros da Casa que acataram todos os escândalos inclusive inocentando o mandatário numa CPI na qual se comprovou, por meio de peritos contratados em de Araxá, a roubalheira na área de saúde.

Em relação ao vereador Ricardo Nunes, esses mesmos 10 colegas bajuladores  do prefeito, que antes eram da oposição,  abriram um processo de impeachment contra ele.  O motivo  se deu pelo fato de  Nunes ter tornado público, através de panfletos distribuídos nas ruas, seus  comportamentos de servilismo  em relação a desvios milionários praticados na pasta de Saúde.

O que essa turma não esperava é que a população se mobilizasse  contra tais atos injustos. Até fundos para contratar  advogado  foram arrecadados em festas promovidas por setores ligados à  Igreja Católica. O único que ficou do lado de Ricardo foi Odair Mussi.  Não obstante, eles eram apenas  dois contra 10.  Por isso,  foi importante a mobilização da sociedade  contra os amigos do prefeito que, amedrontados, desistiram do impeachment em  acordo   feito no próprio plenário da Câmara onde se fazia o julgamento  para afastar Ricardo.

 

Facebooktwitterpinterestlinkedinmail
rss