Claudionor tenta impedir auditoria na área de Saúde.

Claudionor dificulta auditoria  na área de Saúde.

Dentro dos levantamentos da CPI contra atos do  prefeito Seiji Sekita, de São Gotardo, no Alto Paranaíba, uma empresa de auditoria deu início, há cerca de 30 dias, aos trabalhos de  perícia em documentos fiscais envolvendo compras de remédios, equipamentos e materiais destinados  à rede hospitalar, mas os impedimentos criados pelo governante atrapalham o prosseguimento das atividades.

O administrador público, por intermédio do secretário de Administração, Claudionor Anicésio Santos, sem nenhuma explicação convincente, se utiliza de manobras  mirando retardar e não atender aos ofícios lá protocolados, em número de três, requerendo a entrega dos  papéis.

É de se registrar que a Comissão de Investigação da Câmara constituída dos vereadores Gilberto Cândido de Oliveira ( presidente), Onofre Roberto (relator), e os membros, Célio Martins e Valdivino Honorato, desempenham questionável atuação no jogo de empurra. Neste dia 19, sob as mesmas desculpas, voltaram a aceitar as alegações de Anicésio e, novamente, se prorrogou a entrega, para semana que vem.

Na verdade, a editoria deste site apurou um forte motivo das medidas protelatórias do sr. Claudionor Anicésio. Os documentos solicitados pelos auditores, logo no primeiro dia, não atenderam aos princípios técnicos. A requisição visava somente vias originais de toda a papelada referente as compras na Secretaria Municipal de Saúde, mas a Prefeitura, absurdamente, vem tentando apresentar, por intermédio de Anicésio Santos, apenas cópias. E como os trabalhos miram meticulosas avaliações periciais, elas foram peremptoriamente recusadas.

O fato vem gerando muito constrangimento entre as partes já não se podendo evitar um clima de suspeitas em torno de operações irregulares na área de Saúde. Qualquer pessoa sabe que cópias podem ser feitas em cima de outras operações previamente fraudadas.

E nem se pode entender a tentativa de tanta postergação. Está rigidamente escrito na Lei de Transparência que documentos de órgãos públicos, obrigatoriamente, devem estar à disposição de possível fiscalização, e do próprio contribuinte. E um governante honesto  não tem motivo para retardar esse tipo de averiguação. Quem nada deve nada tem a temer.

Ficou estabelecida a próxima segunda feira, dia 26, como último prazo para apresentação das notais fiscais cuja existência os auditores comprovaram, antecipadamente, no Portal da Transparência. Assim, o prefeito Seiji Sekita e seu secretário Claudionor Santos não terão mais como se furtar da entrega de todas elas, nas condições exigidas. No caso de persistir a tentativa de protelação, será registrada, no mesmo dia, uma queixa no Ministério Público.

 

 

 

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail
rss