Iniciativa  de Mussi e seu colega deixa transparecer conflitos na Câmara

Iniciativa de Mussi e Nunes  deixa transparecer conflitos na Câmara

Ninguém  sabe ainda, com certeza,  se há um “racha” na Câmara Municipal em decorrência  de medidas consideradas muito lentas por parte da presidência da Casa, mas a verdade é que dois vereadores de São Gotardo, no Alto Paranaíba, Ricardo Nunes e Odair Mussi,  agindo por conta própria, procuraram o Ministério Público local e protocolaram junto  ao novo promotor Sérgio Álvares Contagem um pedido de providências no sentido de suspender, no município,  o projeto de  potássio da Verde Fertilizantes enquanto não se esclarecerem  as inúmeras dúvidas ora pairando em torno dele.

No documento,  eles recomendam a necessidade de se verificar as denúncias de irregularidades no relatório de impacto ambiental da firma, relativo ao projeto, apontadas pelo geólogo Pedro Gervásio Ferrari  e  justificam o pedido de suspensão a prevalecer enquanto não se comprovar,  técnica e cientificamente, se os benefícios são muito  superiores aos danos causados ao meio ambiente.

Ricardo Nunes e Mussi procuraram o Ministério Público

Ricardo Nunes e Mussi procuraram o Ministério Público

O pedido de providências, sem mencionar  participação da Casa Legislativa,  foi feito  bem antes da divulgação das informações da Bolsa de Toronto, no Canadá, sobre as opiniões científicas de três geólogos e um engenheiro agrônomo, da UNB, mostrando a inviabilidade do projeto da Verde Fertilizantes,  mas de  maneira nenhuma perde força e  alcance jurídico. Muito pelo contrário, até aumenta, pois deixa claramente manifesta a preocupação  da sociedade  e, ao mesmo tempo, ainda cobra das autoridades judiciárias um pronunciamento e uma posição oficial.

Em correspondência enviada a este site, Odair Mussi assim declara: “por várias vezes, cobramos do Presidente da Câmara de Vereadores, sr. Claudionor Anicésio dos Santos, uma posição firme no sentido de pedir esclarecimentos a empresa envolvida, bem como um convite ao sr. Pedro Gervásio Ferrari, juntamente com outros  profissionais renomados da UFV de Rio Paranaíba e Ouro Preto, para fazerem o contra ponto, inclusive sobre o tão discutido projeto ambiental”.

Após quatro anos sem mostrar nada de positivo nas suas intenções de explorar potássio nos maciços do Rio Indaiá, tudo não passando de falatório  e falsas promessas,  além de suspeitas e desconfianças, o  desempenho da VF, sempre criador de grandes expectativas, vai se transformando  em verdadeiro pesadelo em São Gotardo e Matutina, municípios nos quais seriam instalados seus campos  de atividades.

O Ministério Público não estaria gerando prejuízos à nenhuma das partes se adotasse as necessárias medidas preventivas de paralisar os objetivos da empresa enquanto tudo não ficar claramente definido sobre a idoneidade,  capacitação industrial e a tecnologia de processamento do potássio , por ela garantidos de ter, mas desmentidos o tempo todo nos meios científicos.

Dinheiro para fazer frente ao projeto a firma já admitiu não  ter,  conforme  palavras de um dos seus responsáveis principais, Milson Mundinho. Some-se a isso que ela é acusada de incapacitação técnica, inidoneidade e de não ter tecnologia. Em quatro anos, não conseguiu contestar estas denúncias. Parece piada,  mas com estas referências comerciais, a VF não conseguiria aprovar crédito nem para comprar, fiado, uma bicicleta. Apesar disto, inexplicavelmente, tem conseguido, até aqui, arrastar seu jogo de enganação. (Este site sempre ofereceu, assim como faz, hoje, abaixo,  espaço para que ela expusesse  seus objetivos ou se defendesse de tantas  acusações, mas nunca quis se manifestar)

Uma enquete ainda em aberto na página de entrada deste site, perguntando se o projeto de exploração de potássio da VF merece credibilidade, já mostra a opinião maciça da população manifestando o total descrédito nele. As dúvidas e suspeitas, além das irregularidades constatadas pelo geólogo Ferrari já seriam motivos suficientes para o Ministério Público determinar a suspensão do projeto, conforme se verifica no pedido de providências assinado pelos vereadores Odair Mussi e Ricardo Nunes.

 (ESTE SITE SEMPRE MANIFESTOU  PÚBLICA E CLARA  DISPOSIÇÃO DE SE COLOCAR À INTEIRA DISPOSIÇÃO DA FIRMA VERDE FERTILIZANTES PARA DEVIDOS ESCLARECIMENTOS, OFERECENDO-LHE  O MESMO DESTAQUE,  A RESPEITO DOS FATOS ENVOLVENDO SUAS ATIVIDADES)

centroesteurgente@yahoo.com.br

Facebooktwitterpinterestlinkedinmail
rss