Cristiano Velloso, executivo principal: mudanças na tentativa de convencer

Cristiano Velloso, executivo principal: mudanças na tentativa de convencer

Coincidentemente, após as últimas reportagens deste site, a firma Verde Fertilizantes/Verde Potash protocolou um   relatório na Bolsa de Valores de Toronto, no Canadá, anunciando profundas reformulações no seu projeto de potássio nos maciços do Rio Indaiá, buscando anular clima de desconfiança do mercado.

Incrível, estas supostas modificações ocorrem quase cinco anos sem nada apresentar de convincente nas regiões de São Gotardo e Matutina, mas sobre tais novidades  a própria instituição canadense se mostra rigorosa, trazendo  novas e preocupantes advertências  mirando proteger os investidores.

Neste novo relatório, dentro do seu estilo sempre marcado por  dúvidas e questionamentos,  a empresa de Cristiano Velloso (foto) volta a dar sinais de estar incorrendo  em outra gravíssima prática delituosa, provavelmente, o caso mais flagrantemente acintoso  a ser comprovado, oficialmente,  no caso de o Ministério Público desejar investigar.

Ela está, agora, afirmando que, no dia 24 de junho último, aprovou e registrou no Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento – MAPA seu produto “ThermoPotash”, inclusive até mesmo fornecendo o número do documento.

Milson Mundim, diretor financeiro da Verde Potash

Milson Mundim, diretor financeiro da Verde Potash

Mas quem desejar  acessar  a janela com fins de confirmar a aprovação do ministério bem como o número do registro, o nome do produto e suas características vai ficar decepcionado, pois nada encontrará lá por que nada existe lá protocolado, até hoje. Também não foi possível, de maneira alguma, obter resultado fazendo-se consulta acessando as quatros firmas, Verde Fertilizantes, Verde Potash, Amazon Mining e Projeto Cerrado Verde. (Tal como sempre acontece quando se busca confirmar dados sobre suas pouco claras  atividades)

Estas informações soam de maneira muito estranha, pois  se a aprovação no ministério lhe foi concedida, há mais de dois meses, bem como o direito de já poder vender o produto no Brasil, conforme afirma, abaixo, tudo isto já deveria se encontrar claramente exposto no site do órgão, à disposição de quem possa interessar.

Afinal, não apenas futuros compradores, mas também o sistema financeiro, Banco Mundial e BNDES, instituições proclamadas  como possíveis garantidoras do empreendimento, certamente, gostariam de ter acesso a esse documento,  como iniciativa de  proteção aos empréstimos.

Na informação enviada a Bolsa de Toronto  a empresa diz: “o “ThermoPotash” foi aprovado para utilização como fertilizante de potássio pelo  Ministério da Agricultura (“MAPA”), em 24 junho de  2013 – O seu número de registro é MG – 90. 773 10000-3. O produto é agora elegível para venda  no Brasil . Nos últimos quatro anos a empresa e uma série de parceiros de pesquisa realizaram 41 testes de laboratório e 15 testes de campo com 12 culturas diferentes em mais de 23 hectares (230.000 m 2). Os resultados destes testes demonstraram a eficácia do produto como uma fonte de potássio, de cálcio e de silício, bem como a sua capacidade para corrigir a acidez de solo do Brasil”.

O Centroesteurgente publica, abaixo, o longo texto do relatório  enviado  à Bolsa de Toronto, pela VF,  anunciando mudanças e novas estratégias, após quase cinco anos no verdete sem nada apresentar de convincente. A tradução do inglês para o português aparece um tanto truncada, muitas vezes sem sentido, mas  a editoria preferiu não alterar em nada tendo em vista preservar as questões legais. O leitor poderá tirar suas próprias conclusões ao avaliar as oportunas advertências ao final do documento emitido pela própria instituição do Canadá, sob o título FORWARD LOKING INFORMAÇÕES: É de grande importância, pois traz preocupações alarmantes.

“TORONTO , 21 de agosto de 2013 / PRNewswire / – Verde Potash (TSX: “NPK”) (“Verde” ou a “Companhia”) tem o prazer de anunciar novo plano estratégico da empresa para o avanço da Cerrado Verde Potash Projeto . Esta nova estratégia substitui o plano anterior da empresa para avançar directamente para a implementação de um intensivo, escala maior de capital, unidade de produção. Novo plano do Verde tem como premissa a viabilidade técnica do projeto do encenado scale-up, a fim de reduzir os riscos e acelerar a geração de fluxo de caixa de sua grande recurso de potássio no Brasil . A nova estratégia será composta por duas fases. Na fase 1, a Companhia pretende construir uma planta (a ‘Planta Flex’), com uma capacidade de cerca de 1.000 toneladas por dia (“tpd”) para a produção de ThermoPotash. A Usina Flex também será operada para processar KCl, a fim de continuar a desenvolver-se de escala e de comercialização do processo e com a intenção de obter garantias de desempenho em um forno para a produção de 12.000 tpd KCl. Fase 2, desenvolvida em paralelo com a Fase 1, se concentraria na produção de KCl em grande escala. Esta estratégia em duas fases espera reduzir-se capex frente, inicialmente, que estabelece o menos capital produto ThermoPotash intensivo.

 Próximos Passos

A Companhia e seus parceiros de engenharia estão a avançar com um projeto Planta Flex para a Fase 1. A proposta de Planta Flex terá uma capacidade de cerca de 1.000 tpd ea capacidade de ambos ThermoPotash produzindo e executando a fase pyro de uma rota de produção KCl. A operação bem sucedida da fase de pyro da produção KCl procura obter as garantias de desempenho desejados para a Fase 2. Pela produção rampa-up com ThermoPotash na fase 1, a Companhia (i) espera um menor custo de capital inicial em comparação com a estratégia anterior para ir directamente para uma unidade de produção em larga escala, (ii) prevê a geração de caixa da venda de ThermoPotash e ( iii) espera uma redução no risco de scale-up da produção de KCl de seu recurso de silicato de potássio. A Companhia espera que a publicação de um estudo de pré-viabilidade (“PFS”) no 1 º trimestre de 2014 para a Fase 1 e Fase 2.

 ThermoPotash

ThermoPotash é uma liberação controlada, não-cloreto, fertilizante multi-nutriente que é ideal para solos brasileiros. É um novo produto, que deverá competir com outros premium, fertilizantes, não de cloreto de multi-nutrientes atualmente no mercado brasileiro, como o sulfato de potássio (SOP) e nitrato de potássio (NOP).ThermoPotash potássio proporciona, sem os efeitos negativos do cloro, embora o teor de calcário aborda a acidez elevada Do Brasil solos.

Pesquisa sobre o uso de rochas de silicato de potássio do Cerrado Verde para produzir ThermoPotash começou no início de 1980 por acadêmicos. Desde 2009, com a ajuda de uma multiplicidade de partidos, Verde construído em que pesquisas anteriores através de seus próprios estudos, desenvolvimento e testes de campo agronômicas de sucesso. Agronómicas ensaios foram realizados em conjunto com a Universidade de Uberlândia, oUniversidade de Lavras , Da Universidade de São Paulo, Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG), BioFlorestas ArcelorMittal e um grande número de produtores empresariais em Brasil . O processo de produção para ThermoPotash é semelhante à parte de piro do processo de produção, a empresa tem desenvolvido para KCI. Rochas de silicato de potássio da Companhia é aquecida em um forno rotativo, juntamente com calcário para produzir ThermoPotash. Tendo em conta que uma unidade de produção ThermoPotash requer um forno rotativo, mas sem evaporação ou cristalização equipamentos, o investimento para uma planta ThermoPotash deverá ser substancialmente menor do que para uma planta de produção de KCl tonelagem equivalente.

ThermoPotash foi aprovado para utilização como fertilizante de potássio pela Ministério da Agricultura (“MAPA”), em 24 jun 2013 – O seu número de registo é MG – 90. 773 10000-3. O produto é agora elegível para venda em Brasil . Nos últimos quatro anos a empresa e uma série de parceiros de pesquisa realizaram 41 testes de laboratório e 15 testes de campo com 12 culturas diferentes em mais de 23 hectares (230.000 m 2). Os resultados destes testes demonstraram a eficácia do produto como uma fonte de potássio, de cálcio e de silício, bem como a sua capacidade para corrigir a acidez de solo do Brasil.

 Balanço

O balanço da Companhia continua forte, com $ 13300000 em dinheiro a partir de 30 de junho de 2013 . Taxa de queima da Companhia nos últimos meses tem sido de aproximadamente $ 600,000 por mês. Gestão está confiante de que dinheiro na mão é suficiente para permitir que a Companhia concluir seu PFS e um estudo de viabilidade definitivo, sem levantar capital adicional.

Verde tem sido envolvida em discussões com instituições brasileiras sobre financiamento da dívida para a Fase 1 e continua a acreditar que os bancos de desenvolvimento estaduais e federais brasileiras vai desempenhar um papel importante no financiamento Cerrado Verde. Garantir financiamento da dívida para o projeto é importante, pois pode permitir que a empresa continue a avançar o projecto com pouca ou nenhuma diluição do acionista – uma meta para que a administração continua empenhada.

 Licença ambiental

A empresa irá fornecer informações suplementares para SUPRAM (Superintendências Regionais de Regularização Ambiental), o órgão ambiental estadual para Minas Gerais, para reflectir as revisões para o projeto.Verde está a realizar para atender às exigências do órgão regulador, a fim de receber todas as aprovações ambientais necessárias em tempo hábil para que permita não vai agir para atrasar o projeto. A Companhia irá primeiro pedir uma licença ambiental para um forno rotativo Flex Vegetais (ie Fase 1 do projeto), com uma capacidade de cerca de 1.000 tpd porque o impacto ambiental reduzido durante esta fase permite um processo de candidatura acelerado.

 Projeto de fundo

Em 28 de fevereiro de 2012 , A empresa publicou uma PEA para a Cerrado Verde Projeto centradas na produção de KCl. A PEA fevereiro estruturou o projeto em três fases: Fase 1, 600.000 toneladas de produção de KCl, Phase 2, um incremento de 1,0 milhões de toneladas de produção de KCl; Fase 3, um incremento de 1,4 milhões de toneladas de produção de KCl. Capacidade total da planta na conclusão da Fase 3 foi planejado como 3,0 milhões de toneladas de produção de KCl. Atualmente, a Companhia espera concluir a PFS que incluirá Fase 1 produção ThermoPotash e Fase 2 produção KCl.

 Sobre Verde Potash

Verde Potash , Uma empresa de desenvolvimento de fertilizantes do Brasil, está comprometida em antecipar o projeto Cerrado Verde localizado no coração de Do Brasil maior mercado de agricultura. Cerrado Verde é a fonte de um depósito rico em potássio a partir do qual a Companhia pretende produzir tanto ThermoPotash e cloreto de potássio (KCl). ThermoPotash é uma liberação controlada, não-cloreto, fertilizante multi-nutriente que é ideal para solos brasileiros. Além disso, a Companhia está desenvolvendo seu projeto de Calcario calcário, calcário a ser uma matéria-prima fundamental para o processo da empresa para produzir tanto ThermoPotash e KCl.

 Sobre o Cerrado Verde Potash Projeto

Cerrado Verde é um projeto único: 1) o seu grau de potássio afloramentos rochosos elevados e é passível de mineração a céu aberto, o que permite a construção rápida de uma operação escalável, 2) ele está localizado no meio de crescente terceira maior e mais rápido do mercado de fertilizantes do mundo, 3 ) ele se conecta ao Do Brasil maiores distritos de distribuição de adubo através de infra-estrutura existente e de alta qualidade; 4) que tem o potencial de fornecer tanto ThermoPotash e KCl para Do Brasil mercado agrícola local a partir de sua grande depósito de potássio-ricos.

 Forward Looking Informação“Este comunicado à imprensa contém certas informações prospectivas, que inclui, mas não está limitado a, declarações com relação à nova estratégia da empresa, a produção comercial de ThermoPotash e KCl, design e construção de uma fábrica Flex, tempo e conclusão de um estudo de pré-viabilidade , recebimento de licenças ambientais ea geração de fluxo de caixa da Fase 1 da nova estratégia. Informações prospectivas envolve riscos conhecidos e desconhecidos, incertezas e outros fatores que podem causar resultados reais, desempenho ou realizações da Companhia sejam materialmente diferentes da informação prospectiva. Fatores de risco materiais que poderiam causar resultados reais difiram materialmente das tais informações prospectivas incluem, mas não estão limitados a, o fracasso em obter as aprovações regulatórias necessárias, riscos associados com a indústria de mineração em geral (por exemplo, riscos operacionais em desenvolvimento, exploração e produção; atrasos ou mudanças de planos com relação à exploração ou desenvolvimento de projetos ou despesas de capital, a incerteza das estimativas e projeções relativos à produção, custos e despesas, e de saúde, segurança e riscos ambientais), preços de commodities, a demanda por ThermoPotash e KCl no Brasil, as flutuações das taxas de câmbio e outros fatores de risco estabelecidos no mais recentemente arquivado Formulário de Informações Anuais da Companhia sob o título “Fatores de Risco”. Atualmente, ThermoPotash não é produzido ou vendido no Brasil comercialmente. Como conseqüência, não há mercado atual para este produto. Se procura comercial de ThermoPotash não conseguem desenvolver, o modelo de negócios da Companhia pode não ser apropriado.Assim, os leitores não devem depositar confiança indevida em tais informações prospectivas. Fatores materiais ou pressupostos utilizados para desenvolver tais informações prospectivas incluem, mas não estão limitados a, a demanda por ThermoPotash e KCl no Brasil, a capacidade de proteger as licenças ambientais necessárias e mineração, a capacidade de obter financiamento, e outras premissas estabelecidas no atual relatório técnico da Companhia. A Companhia atualmente não pretende atualizar informações prospectivas neste comunicado à imprensa, exceto quando exigido por lei”.

FONTE Verde Potash Plc

Cristiano Veloso, presidente e Chief Executive Officer Tel: 55 (31) 3245 0205, Fax: 55 (31) 3245 0205, Email: cv@verdepotash.com

www.verdepotash.com

Jaret Anderson, CFA, vice-presidente de Desenvolvimento Corporativo Tel: (416) 866-2966, ext. 223, Fax: (416) 866-8829, Email: ja@verdepotash.com

(ESTE SITE SEMPRE MANIFESTOU  PÚBLICA E CLARA  DISPOSIÇÃO DE SE COLOCAR À INTEIRA DISPOSIÇÃO DA FIRMA VERDE FERTILIZANTES PARA DEVIDOS ESCLARECIMENTOS, OFERECENDO-LHE  O MESMO DESTAQUE,  A RESPEITO DOS FATOS ENVOLVENDO SUAS ATIVIDADES)

Facebooktwitterpinterestlinkedinmail
rss