Atual prefeito Ronaldinho foi  duramente acusado no relatório da CPI

Atual prefeito Ronaldinho  duramente acusado no relatório da CPI

Sob a responsabilidade dos vereadores Silvio Silva, presidente; Flávio Pereira de Carvalho, relator; e Leonardo Diógenes Coelho, membro; foi concluído, dia 22 último, o relatório da CPI na qual se comprovou os crimes e se pede o enquadramento, nas leis respectivas, da tesoureira Nilma Carla Pinto e sua auxiliar Neide Oliveira, responsáveis por desvios de grandes somas em dinheiro, na Prefeitura Municipal de Dores do Indaiá, Alto São Francisco, no centro-oeste mineiro.

Não obstante, uma análise perspicaz e neutra do documento mostra que tais escândalos só ocorreram em decorrência do total desleixo do ex-prefeito Joaquim Ferreira Cruz e do atual governante Ronaldo Antônio Zica Costa, “Ronaldinho”, além de falhas grosseiras do anterior e do presente secretário de Administração, respectivamente, Euler Silva Veloso e José Eustáquio Silva, incluindo-se o contador Fábio Melato Magalhães.

Nenhum deles, prefeitos, secretários, contador e firmas de assessoria contábil, jamais exerceu seus obrigatórios deveres de fiscalizar as operações financeiras e de contabilidade do município. Cruz, para se ter ideia, no seu último mandato não frequentou a tesouraria mais que três vezes. 

Houve falhas gravíssimas também por parte do serviço de controle interno e da empresa de contabilidade ETAC que mal comparecia ao órgão municipal. Todos, incluindo as autoridades, deverão ser indiciados de acordo com suas responsabilidades. Enfim, de uma única vez, revelou-se os grandes descalabros administrativos que, nas últimas décadas, vêm ocasionando o emperramento de Dores do Indaiá, hoje, completamente  estaqueada no tempo.

 Cruz: prefeito só no nome

Cruz: prefeito só de nome

Flávio Carvalho

Flávio Carvalho

    O relatório desta CPI deve ser visto como um dos documentos mais importantes dos últimos 40 anos da vida pública de Dores do Indaiá e que pode mudar os destinos da história político-administrativa do município. É impossível imaginar-se que os próximos governantes se deixarão conduzir pela omissão.

Silvio Silva

Silvio Silva

Sobre as graves denúncias, a servidora Neide de Oliveira que, pelos cálculos, superou sua chefe Nilma Carla, em desvios de dinheiro dos cofres públicos, não apenas confirma a ausência de responsabilidade, eficiência e profissionalismo no comando administrativo como também coloca em dúvida até mesmos os pregões licitatórios do atual mandato de Ronaldinho, assim declarando: “não estou aqui para julgar ninguém, mas a prefeitura, no momento de minha saída, se encontrava um verdadeiro caos. Participei, por alguns momentos, do setor de licitações e vi nos pregões muitas irregularidades que, certamente, estão lá, até hoje: falta de documentos para negociações, pagamentos diferentes das notas fiscais, e uma série de outras anormalidades.

E ela fulmina: “Houve até um caso de pagamento em duplicidade à firma Empremassa (de asfaltamento) que não quis devolver o dinheiro, alegando ter créditos atrasados a receber. Quando deixei o cargo, a questão não estava resolvida e todo mundo botava a culpa em todo mundo”.

Leonardo

Leonardo

Tanto Neide quanto Nilma disseram ter visto muita gente desviar dinheiro da prefeitura e houve caso até de funcionário que conseguiu construir casa exclusivamente praticando ilegalidades. Elas afirmam poder provar tudo que dizem, caso seja necessário.

Nos trabalhos da CPI ficou pendente o indiciamento sobre a participação do vereador José Oldack Pinto, marido de Nilma Carla, para quem o servidor Wagner Ribeiro, “Boquinha”, por ordem dela, freqüentemente, entregava pastas contendo dinheiro da prefeitura, no Clube Indaiá.  

Boleta especial para José Oldack (clique na foto para ampliar)

Boleta especial para José Oldack (clique na foto para ampliar)

A comissão da CPI deixou esta responsabilidade ao vereador Leonardo Diógenes, “Leo Bombril”, chefe da Corregedoria Geral da Câmara Municipal. São graves as revelações feitas por “Boquinha”, contra Oldack  que é acusado também de ter sido favorecido pelo ex-prefeito Cruz com desconto no ITBI (ver documento).

Todas as autoridades e servidores apontados deverão ser indiciados como autores da prática de improbidade administrativa. O prefeito Ronaldinho, apesar de também acusado, recebeu cópia do relatório para a devida ação civil pública mirando ressarcimento dos valores desviados. Igualmente,  o Ministério Público local foi notificado, para as mesmas finalidades, assim como o Tribunal de Contas do Estado.

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail
rss