As casas legislativas de São Gotardo e da vizinha Dores do Indaiá, respectivamente,  Alto Paranaíba e Alto São Francisco, elegeram, neste dia 15 último, suas mesas diretoras, mas os moradores destas cidades não devem manter expectativas de boas mudanças, pois a obrigatória missão de fiscalizar atos do poder executivo não se constituirá no forte das duas instituições.

Em São Gotardo, o novo presidente Valdivino Honorato Oliveira, que no início do seu mandato fazia oposição ao atual prefeito Seiji Sekita, mudou de rumo, repentinamente, e até já anunciou sua pretensão de continuar dando sustentação ao mandatário. Para o cargo de vice foi eleito o vereador Célio Martins Reis. No posto de primeira secretária, Madalena Lopes Queiroz, e segundo secretário, Mauri Inácio Morais.

Honorato: mais sustentação à Sekita

Honorato: mais sustentação à Sekita

Os vereadores Ricardo Nunes e Odair Mussi tinham intenção de fazer contraponto, mas já sabiam, antecipadamente, que não tinham a menor chance.

Quando eleito, o atual prefeito Sekita, do PT, só dispunha de três membros na sua base de apoio. Hoje, tem controle sobre 10 deles, apesar de sua administração ser considerada a pior da história municipal.

Na verdade,  a influência de Sekita sobre 10 vereadores não é mérito pessoal. Isso se deve à sua aliança com o ex-prefeito Paulo Uejo. Seiji estava na iminência de ser cassado e negociou um acordo com PU  cuja liderança sobre sete vereadores permitiu a virada de mesa. Comenta–se que o verdadeiro prefeito da cidade é Paulo Uejo.

EM DORES DO INDAIÁ

A nova mesa diretora de Dores do Indaiá vai ser ocupada pelos vereadores, Leonardo Diógenes (“Léo Bombril”) no cargo de presidente;  José Marinho, “Zé Roia”, vice; Elias Ferry, primeiro secretário e Osanan Veloso, segundo secretário.

Léo Bombril pertence  à base majoritária de oposição ao atual prefeito Ronaldo Costa, também do PT, mas jamais criou um problema sequer para o governante. Na verdade, a passagem dele pela Casa Legislativa tem sido marcada, até há pouco tempo, pelo persistente apoio a um ex-prefeito, Joaquim Cruz.

"Bombril" : caminhos da prepotência

“Bombril” : caminhos da prepotência

Este ex-mandatário, mesmo estando fora do executivo  é um costumeiro problema na casa onde sempre contou com o apoio de Léo e mais cinco membros para aprovar suas contas impregnadas de irregularidades. Recentemente, Bombril, pressionado pela imprensa, finalmente, votou contra Cruz.

O novo presidente ficou marcado na Câmara, por sua promessa de perseguição a funcionários e vereadores que ele supunha estarem passando informações à imprensa, exatamente, porque a mídia denunciava suas tentativas de sempre inocentar Joaquim Cruz.

Em alto e bom som, com transmissão pela rádio local, “Bombril” deixou claro que iria tomar providências contra os possíveis informantes. Não se sabe se ele, como novo titular da Casa, vai por em prática suas promessas de radicalização, que atentam contra os princípios da livre informação. 

Facebooktwitterpinterestlinkedinmail
rss