Tal como assustadora aparição de alma penada ou não menos aterrador espectro de fantasma arrastando correntes pelos corredores e escadarias, o nome do ex-consultor técnico para assuntos hospitalares Manuel Bibiano de Carvalho, demitido em junho último após seis meses de crise sem precedentes na área de saúde, provoca calafrios de susto e pavor como se, de fato, uma verdadeira assombração nos meios políticos de São Gotardo, município de 40 mil habitantes, no Alto Paranaíba.

Fantasma de Bibiano atormenta vida do prefeito

Fantasma de Bibiano atormenta vida do prefeito

Sua insólita passagem pela cidade, por um período de seis meses, para dar consultoria nos postos de saúde, deixou marcas profundas na população, de terror e medo, que não se apagaram nem mesmo depois do cancelamento do seu contrato, por força de pressão popular.

Mas nos dias atuais quem mais vem sofrendo com as assombradas aparições do fantasma Bibiano é o prefeito Seiji Eduardo Sekita responsável por sua contratação, no início do ano, e ainda bancá-la, meses a fio, contrariando oposições publicamente manifestas dos moradores. Agora, ele vem sendo colocado contra a parede para dar explicações envolvendo suspeitas de graves irregularidades nas quais a vítima é o  erário público.

Durante o conflitante exercício do cargo, o consultor Bibiano, também ex-prefeito cassado na cidade de Iguatama, jamais aceitou remuneração inferior à dos médicos, motivo pelo qual, para bancar seu polpudo holerite, a prefeitura de São Gotardo teria usado o artifício ilegal de distribuí-lo nos honorários dos próprios funcionários ocupantes de cargos comissionados (de confiança) que devolviam as diferenças, em seu benefício.

E não se tratam de simples fofocas. São irregularidades gravíssimas geradoras de  investigações e a primeira suspeita surgiu depois que um motorista de “patrola” ficou sem saber o que fazer do seu salário no qual estaria inclusa parte de valor destinado ao consultor. Logo em seguida, foram aparecendo outros nomes de funcionários forçados ao ato de ilegalidade. Ventilou-se até o nome do ex-secretário municipal de Saúde.

Sekita foi questionado sobre a possível irregularidade, mas não lhe teria emprestado devida seriedade incorrendo-se em idêntica situação anterior quando recusou pedido feito por todos os membros da Câmara Municipal, para não contratar Bibiano enquadrado na lei de ficha limpa, em Iguatama, onde, como prefeito, teve seus direitos políticos cassados, acusado de improbidade administrativa.

Como conseqüência, o caso escapou ao controle do sigilo administrativo e foi parar nas mãos do delegado de polícia local. As investigações com tomada de depoimentos dos funcionários  foram concluídas, não se conhecendo o teor dos levantamentos.  Um advogado informou que o processo já se encontra em poder do Ministério Público.

Verdade seja dita, o prefeito Sekita não deve estar vivendo noites de sono tranqüilo, pois quando menos se espera lhe surge o fantasma de Bibiano cujo espectro aterrador é o período de seis meses no qual ele, como se fosse o verdadeiro secretário municipal de Saúde, assumiu o comando da rede hospitalar do município praticando um número sem fim de estripulias, inclusive, através de barulhentas aparições nas quais levava susto e pavor ao próprio quadro administrativo, com ameaças de demissões e outras punições.

Sobre este insólito período, está praticamente vencendo o prazo regimental de l5 dias concedido ao mandatário, pela Câmara Municipal, para apresentação de notas fiscais de compras de remédios e materiais bem como cópias de contratos dos médicos e do próprio Bibiano. No caso de Sekita não atender ao requerimento o caso será entregue à competência do Ministério Público.

Sekita às voltas com interminável crise

Sekita às voltas com interminável crise

Por causa da insatisfação popular claramente manifesta contra seu governo considerado contraditório ao propagado nas eleições, há poucos dias, Sekita concedeu entrevista aos meios de comunicação locais procurando, inclusive, desarmar o clima de preocupação ora existente sobre os riscos de não se concretizar sua promessa de construir o tão sonhado hospital regional estimado em R$ 23 milhões e com capacidade para 100 leitos. Afirma que não há riscos e pretende inaugurar a obra ao final do próximo ano.

A verba do Ministério da Saúde já estaria liberada, mas o local escolhido para instalação do complexo, à beira do histórico Córrego da Confusão, dificilmente, receberia aprovação dos  órgãos ambientais.  No caso de descumprimento das normas exigidas os valores serão repassados a outro município.

Entretanto, o lado negativo desta notícia é outra informação de que pessoas da confiança do ex-consultor Bibiano de Carvalho, repudiado por toda a população, são os responsáveis pelo acompanhamento do projeto.  Mas há quem não negue boa intenção de Sekita quando foi atrás dos serviços deste iguatamense a quem encarregaria de um “pacotaço” de realizações, entre as quais, a reformulação na área saúde, a construção de um hospital oftalmológico e do hospital regional, de 100 leitos. Só que a opção não foi acertada, pois entregou tais projetos  exatamente a um político ficha suja.

 

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail
rss