Povo brasileiro finalmente consolidou nas ruas o direito de fazer valer seus direitos democráticos, 28 anos após os militares deixarem o poder.

Povo brasileiro finalmente consolidou nas ruas o direito de fazer valer seus direitos democráticos  28 anos após os militares deixarem o poder.

As manifestações de rua dos últimos 20 dias mostram que o povo, finalmente,  deixou a condição de simples espectador  como se eternamente submisso aos ditames dos  políticos corruptos e resolveu lutar  decididamente  pela construção de uma nova ordem política para o país com todo a coragem e destemor próprios de quem deseja fazer valer os ideais democráticos.

Tarifas da COPASA fizeram parte dos protestos em frente à casa dos vereadores

Tarifas da COPASA fizeram parte dos protestos em frente à casa dos vereadores

Coisas surpreendentes  aconteceram nesta histórica noite em São Gotardo, no Alto Paranaíba, onde uma mobilização de cidadãos muito superior em número à do dia  26 último, mostrou manifestantes exigindo urgentes soluções e melhorias em âmbito nacional e local só que  desta vez chamando a atenção das autoridades até para as mínimas coisas, demonstrando que o Brasil e esta cidade nunca mais serão  os mesmos. Os políticos, daqui para a frente,  terão de reavaliar seus modelos de representatividade, dando mais visibilidade e transparência aos seus atos ou terão de encerrar suas carreiras.

Sob a liderança corajosa da advogada e professora universitária do CESG, Sydney Miranda Fonseca, da universitária Maria Rita Melo e da jovem Gabriela Nascimento, a segunda manifestação do povo são-gotardense obedeceu ao mesmo roteiro do dia 26 último, começando pela Praça Ciro Franco, descendo a Avenida Rui Barbosa, pela Rua Bento Ferreira e terminando na histórica Praça São Sebastião, em frente ao prédio da Câmara Municipal que desta vez  se encontrava com as luzes acesas  e as bandeiras hasteadas do Brasil e Minas Gerais.

Sociedade sabe o que quer, não há mais espaço para enganação

Sociedade sabe o que quer, não há mais espaço para enganação

Novamente, foi um show de democracia e de organização, além da perfeita cobertura da Polícia Militar determinada pelo seu comandante local major Augusto que colocou nas ruas um contingente de 30 homens, seis viaturas e várias motos. Tal como no último evento, não se registrou sequer um incidente.

Em 1985, quando os militares entregaram, finalmente,  o poder aos civis após longos 21 anos de regime discricionário no qual se sufocou as liberdades e garantias individuais, pensou-se que o país reiniciaria seu ciclo normal. Só que o  novo presidente era ninguém menos que o atual senador  José Sarney, o rei dos congelamentos de preços em eternos planos econômicoss, e espalhados no poder muitos dos atuais políticos, como Renan Calheiros, Jader Barbalho, Antônio Carlos Magalhães, Paulo Maluf, Fernando Collor, entre dezenas de outros, todos eles representantes da recente ditadura aos quais  não interessavam mudanças profundas. E assim o povo nada lucrou com a suposta volta da democracia.

Já em 1992, com as mobilizações buscando o afastamento de Fernando Collor, acusado de corrupção, com a presença dos cara pintadas,  criou-se expectativas de novos tempos  inspirados nos princípios éticos. Mas o país continuou do mesmo jeito e Fernando Collor até retornou ao poder, como senador, inclusive, anunciando o seu nome, recentemente, como candidato a presidente, ano que vem. De nada adiantaram as grandes manifestações e o povo continuaria sendo  pisado do mesmo jeito tal como já  vinha antes.

Nos últimos 20 dias, criou-se se um cenário diferente, pois desta vez foi o povo que   se levantou indignado e revoltado não apenas com as condições de ruindade do governo brasileiro, mas contra toda a classe política, do executivo e legislativo, enfim, todas as esferas do poder,  envolvida em níveis de corrupção estarrecedores como nunca se viu na história do país. Não existe, hoje, na nação,  sequer um político  com capacidade, espírito público e sensibilidade para captar as   mensagens sobre as gravíssimas  questões sociais expostas  por milhões de vozes brotadas das ruas. Enfim, fica clara a rejeição do  povo aos atuais  políticos.

Maria Rita, advogada Sydney Miranda e Gabriela, novas lideranças em ascensão, mudando a história de São Gotardo

Maria Rita, advogada Sydney Miranda e Gabriela, novas lideranças em ascensão mudando a história de São Gotardo

Em São Gotardo, no Alto Paranaíba, —  numa prova de que lideranças se fazem espontaneamente, por vontade própria, nunca por indicação ou por herança como é o caso de Aécio Neves e Antônio Anastasia beneficiários privilegiados do poder  através destas situações   sem nunca terem vivido a necessária experiência de ouvir a voz  do povo nas ruas —  jovens como  a doutora Sydney Miranda Fonseca, a universitária Maria Rita Mello e Gabriela nascimento, definitivamente, ocupam importantes posições  nos destinos do município.

Nesta cidade, daqui para frente,  jamais se tomarão decisões políticas  sem a participação do povo, pois, com certeza,  esse valente trio feminino haverá de levantar sua voz se acaso  os nobres interesses locais  não se sobrepuserem  aos demais.

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail
rss