A Câmara Municipal  não está a altura de representar os interesses legítimos de São Gotardo. Perdeu sua razão de ser. Seria menos lesiva se os vereadores não lá comparecessem. Ganham R$ 6 mil mensais, além de ajuda de custo, por apenas uma reunião semanal. Situada numa praça comercial, no mesmo prédio de um banco, deveria ter seu nome trocado para o de “Comercial de Mamadores e Vendilhões”. Mais parece um balcão de negociatas onde tudo se vende e tudo se compra. Dos seus 13 vereadores 10 se prestam aos humilhantes desígnios de Seiji Sekita e deverão rastejar também aos pés do ex Edson Cezário. São eles:  Valdivino Honorato Oliveira, Marcilon Rodrigues, José Luiz Messias Neto, Gilberto Cândido Oliveira, “Ganga”, Adriano L. Andrade, Mauri Inácio Morais, Célio Martins Reis, Genézio Martins, José Geraldo Vieira e Maria Madalena Lopes Queiroz. A carta da Comissão de Fiscalização e Finanças, constituída de três vereadores, da própria Câmara,  já assinada dando permissão  a essa sujeira. Mais parecem de bandos que ali se reúnem para fazer partilha de butim.  Há cinco dias, o ministro da Educação, Cid Gomes, disse que o Congresso Nacional era a casa de pelo menos 400 achacadores, picaretas. É o que acontece em SG. O promotor Sérgio Contagem está de olho. Muito breve, deve pedir a condenação de quase todos, por improbidade administrativa e notas fiscais frias de prestação de contas.

A Câmara Municipal de São Gotardo não mais dispõe de envergadura moral para  representar os interesses legítimos da população. Perdeu sua razão de ser. Seria menos lesivo se os vereadores não lá comparecessem. Ganham R$ 6 mil mensais, além de ajuda de custo, por apenas uma reunião semanal. Situada numa praça comercial, no mesmo prédio de um banco, deveria ter seu nome trocado para o de “Comercial de Mamadores e Vendilhões”. Aquilo lá virou um balcão de negociatas onde tudo se vende e tudo se compra. Dos seus 13 vereadores 10 se prestam aos humilhantes desígnios de Seiji Sekita e deverão rastejar também aos pés do ex Edson Cezário. São eles: Valdivino Honorato Oliveira, Marcilon Rodrigues, José Luiz Messias Neto, Gilberto Cândido Oliveira, “Ganga”, Adriano L. Andrade, Mauri Inácio Morais, Célio Martins Reis, Genézio Martins, José Geraldo Vieira e Maria Madalena Lopes Queiroz. Eles estão na iminência de inocentar o prefeito Sekita e também o ex Edson Cezário  de crimes hediondos contra o município. A carta da Comissão de Fiscalização e Finanças, constituída de três vereadores, da própria Câmara, já foi assinada dando permissão a essa sujeira. Mais parecem integrantes  de um bando que ali se reúne para fazer partilha de butim. Há cinco dias, o ministro da Educação, Cid Gomes, disse que o Congresso Nacional era a casa de pelo menos 400 achacadores, picaretas. É o que acontece em SG. Quase todos sabem que serão rejeitados nas próximas eleições. Por isso se chafurdam ainda mais na lama.O promotor Sérgio Contagem está de olho. Muito breve, deve pedir a condenação de muitos deles, por improbidade administrativa e notas fiscais frias de prestação de contas. 

A Constituição Brasileira aboliu o malsinado voto secreto que sempre conspurcou as sessões plenárias das Casas Legislativas. Automaticamente, a lei passou a vigorar no Congresso Nacional, nas câmaras estaduais e municipais, menos em São Gotardo, Alto Paranaíba onde ela é desrespeita e menosprezada, sem ter a menor utilidade. Nesta cidade, a Câmara Municipal, em clara afronta aos dispositivos constitucionais, vem fazendo uso desse artifício imoral no intuito de ocultar nas sombras do anonimato os votos de 10 vereadores useiros e vezeiros em atos de cumplicidade ao atual prefeito Seiji Sekita, do PT, acusado de crimes hediondos na sofrida área de saúde municipal, hoje, completamente ao abandono, sem remédios e médicos.

Por meio de tais imoralidades, nesta segunda feira, dia 16, apenas um dia após as mobilizações de rua contra a corrupção, tentou-se aprovar as contas financeiras do prefeito referente ao ano de 2013 quando foi acusado em relatório de uma auditoria de ter praticado desfalques na área de saúde estimados em R$ 6 milhões, não se incluindo falsificação de documentos e licitações públicas.

Tudo está sendo articulado para tirar o prefeito de tais apuros em jogada para matar vários coelhos de uma só cajadada. Ou seja, se conseguirem antecipar na Câmara a aprovação das contas financeiras só terão o trabalho de levar uma cópia do documento ao Tribunal de Justiça, TCMG e TCU para desarmar todas as bombas de efeito retardado que explodirão seu mandato, podendo até levá-lo à prisão.

Vereadores Odair  Ricardo representaram contra Sekita nos principais órgãos superiores de fiscalização

Vereadores Odair e Ricardo representaram contra Sekita nos principais órgãos superiores de fiscalização

Na cajadada para matar vários coelhos está também um processo referente às contas do ex-prefeito Edson Cezário, período 2009, tão impregnadas de irregularidades quanto às de Sekita. Pela rivalidade entre os vereadores, muitos deles cabos eleitorais do ex-prefeito Paulo Uejo agora a serviço de Sekita, estabeleceu-se um jogo de chantagem na Câmara que se transformou em autêntico balcão de negociatas. Os dois processos foram intencionalmente marcados para aprovação no mesmo dia mediante acordo entre as hostes rivais.

Cezário teria de ser reprovado, pois também praticou verdadeiros assaltos na prefeitura. É acusado, pelo próprio vereador Mauri Ignácio, de ter aberto créditos suplementares sem autorização do Legislativo; apropriar-se de recursos do INSS; licitações fraudulentas com superfaturamento de contratos e valores; além de desviar dinheiro da contribuição de custeio de iluminação pública. Em outras palavras, práticas descaradas de roubar o dinheiro do povo. Todas estas ladroagens, de Cezário e Sekita, deverão ser aprovadas. Os executivos estarão dependendo dos votos de vereadores que também não se primam pela honestidade.

Cezário chafurda na lama

Cezário chafurda na lama, mas quer ser prefeito, novamente…

No lado da oposição, os vereadores Odair Mussi e Ricardo Nunes, em momentos tensos na Câmara, denunciaram o embuste do voto secreto e só por pouco as contas não foram aprovadas naquele exato momento. Por último, sem qualquer possibilidade de acordo, Mussi usou do direito de pedir vistas do processo e recebeu da Mesa Diretora um prazo de dois dias, já vencidos.

Entretanto, no calor dos debates ocorreu um imprevisto que amplia esse tempo para mais cinco dias. No sentido de que Sekita e Cezário apresentem justificativas pela aprovação das contas concedeu-se a eles um prazo de sete dias. Só por causa disto, não se procedeu a operação de salvação das contas suspeitas de Sekita. Neste  DIA 25 PRÓXIMO,  A Câmara deve se reunir  para sacramentar a jogada suja contra o povo, envolvendo os dois mandatários.  Há quem afirme até a possibilidade de se antecipar a sessão, para enganar a população. A sociedade deveria se fazer presente, neste dia.. A simples presença silenciosa dela no auditória os intimidaria a voltar atrás.

Na referida data, dia 25 próximo, a Mesa Diretora submete a manobra dos dois prefeitos ao sistema secreto, para definitiva aprovação. A sociedade são-gotardense não pode se furtar de presenciar, ao vivo, tamanha afronta aos interesses do município. Quem for à Câmara se sentirá constrangido diante de tamanha demonstração de frieza, desonestidade e menosprezo ao povo.

VEREADORES E PREFEITOS
UNIDOS CONTRA O POVO

Milhões de reais sumiram dos cofres municipais, na área de saúde, mas 10 vereadores querem inocentar o responsável pelas falcatruas que, hoje, deixam o hospital Municipal (Santa Casa) em situação de miséria, sem recursos financeiros destinados a aquisição de remédios e contratação de médicos.

Sekita, a luta desesperada contra o tempo

Sekita, a luta desesperada para se safar

Toda essa massacrante situação imposta pela mesa diretora se explicaria por um motivo: a base de sustentação a Seiji Sekita estaria apressada em concluir logo a jogada suja, receosa de que o TCMG, TCU e Tribunal de Justiça, já de posse de relatório apontando as ilegalidades cometidas em 2013, coloquem também o processo em pauta e o julgue antes dela. No caso disso acontecer, a vaca vai pro brejo e nada mais salvará Sekita que poderá até ser preso.

Uma grande operação em níveis imorais correndo contra o tempo, repleta de ações lesivas ao município, está montada na Câmara de São Gotardo destinada a criar os fundamentos jurídicos mirando, mais à frente, inocentar o prefeito nas Cortes superiores, onde denúncias gravíssimas feitas contra ele aguardam julgamento.

Caso suas contas sejam rejeitadass, acontecerá a ele o mesmo que aos réus dos crimes hediondos praticados contra a Petrobrás. O juiz federal Sérgio Moro mandou encarcerar muitos donos de empreiteiras e executivos ligados à cúpula do PT nacional. Seiji, além do risco de ser preso terá de devolver o dinheiro surrupiado e perderá os direitos políticos.

Tudo isso justificaria, portanto, o aparato montado, de maneira inadmissível, na “fumaça da pólvora” das mobilizações de ruas, sem um mínimo de respeito aos quase dois milhões de brasileiros que marcharam contra a corrupção.

No caso de Sekita, em se aprovando suas contas, a equipe jurídica do mandatário só terá de exibir junto às três Cortes acima referidas a decisão dos 10 vereadores e pedir a absolvição do seu cliente, alegando inexistência de irregularidades no período de 2013. Em outras palavras, desaparecem todas as acusações e ele continuará na Prefeitura como se nunca tivesse cometido algum crime contra o município. Como se inocente vestal!

Facebooktwitterpinterestlinkedinmail
rss