Não seria  por falta de apoio da sociedade que os 13 vereadores de São Gotardo, no Alto Paranaíba, abandonariam a decisão, por eles prometida, de recorrer à Justiça  para anular o contrato assinado em 2008 pelo ex-prefeito Paulo Uejo  com a COPASA quando ela assumiu o controle total da rede de esgoto municipal.

Na página de entrada deste site – onde existem mais duas questões pedindo opinião sobre a credibilidade do projeto de potássio no Rio Indaiá e em relação às inovações implantadas neste site – exatos 77 % se manifestaram pela anulação do contrato. Contrários ao cancelamento, 19 %, além de  4 %  indiferentes.

Dia 26 de junho, população foi à Câmara pedir a anulação do contrato com a Copasa.

Dia 26 de junho, população foi à Câmara pedir a anulação do contrato com a Copasa.

A empresa é acusada de cobrar tarifas por serviços de  recolhimento de esgoto que, além de exorbitantes, sequer foram executados, não se encontrando construída   nem mesmo a infraestrutura por ela assumida na assinatura do compromisso. A população quer o dinheiro de volta, devidamente atualizado.

Já o projeto de potássio da Verde Fertilizantes,  que chegou a mobilizar opinião favorável de 100 % da população de São Gotardo, hoje, de acordo com a enquete,  é desacreditado por   63% dos moradores contra 30 % dos que ainda o apoiam. Sete por cento dão assentimento,  em parte, aos objetivos da VF. Estes dados   foram colhidos antes das notícias de Toronto e Inglaterra, apontando a inviabilidade do empreendimento e a confirmação de que a firma não dispõe de tecnologia.

As inovações levadas a efeito no Centroesteurgente tiveram 46 % de aprovação dos leitores. Os que se  consideram    “em parte” atendidos nas medidas representaram um toral de 31 %, além de 19 % de desaprovação e 4 %  indiferentes. Entretanto, os serviços do Centroesteurgente, com propostas modernas, ainda não estão concluídos.993975_673710005991329_1329818133_n

Facebooktwitterpinterestlinkedinmail
rss